que morram todos

o tempo reclama-nos e virá por nós
não há já quem nos possa salvar
destruímos o corpo no caos do toque e dos beijos
mutilando-nos um ao outro na ignorância

alguém grita em deleite na imortalidade da noite
hoje seremos os Mestres Do Sono
colo-me à esperança do desejo
em mais uma viagem pelo inferno
encontramos falsa segurança nos gárgulas
desconhecidos devoram-nos com os olhos
nas ruas que se tornaram perigosas quando as abandonaste

terminem o silêncio e com ele o significado
brota das bocas livres a irracionalidade da natureza
como ervas daninhas como menstruação
não nos amemos mais emparedados nas trevas
soltem a besta
deixem-na caminhar livre e pura
passar a mão pelos seus cabelos de anjo em contraluz

nas caves concentram-se as guerrilhas
congeminando a falência das estruturas
latejam as veias em excitação
que se experimente a fome e a guerra
não seremos mais crianças, mas homens calejados pelo sacrifício da conquista

quando o relógio da torre bate as horas
poderia haver uma explosão

QUE MORRAM TODOS! deus saberá reconhecer os seus

o fim é apenas o momento mais doce alguma vez saboreado
rompemos pela ténue matéria em espasmos até ao firmamento
iluminaremos então as fronteiras da carne

no olho da tempestade

libertamo-nos da roupa dançando ao longo da estrada brutal
infectada de visões do sangue no passado
sapos coaxam ferindo o silêncio da noite
o homem no corredor do hospital tosse
ecoando nos frios corredores

eis que o neon rasga as trevas como a redenção
incendeia-se a vida

uma rapariga observa da varanda
cabelo a contraluz lábios brilhantes e peito descoberto
movimento na avenida
carros aceleram até à beira da desintegração
quando um desconhecido acende um cigarro
iluminando a sua face endurecida

como uma velha amante
a cidade seduz-nos
sonhamos que ela nos possui
e a neblina galga o mar
desaparecendo para além das montanhas
quem emprenhou as gigantescas estruturas
forjou o metal e trabalhou o vidro?

é a tua suavidade que atiça a selvajaria do mundo
combustível da crueldade
entretanto a loucura propaga-se nas mãos dos solitários
que se tocam, ensandecendo
será por já não reconhecermos a inércia?

FICA!

em breve tudo cessará
a tempestade será engolida pela calma
retornaremos então ao primitivo mundo
ao misticismo que explica a mecânica de todas as coisas
aprenderemos a gratidão
acolhendo a perfeição no incêndio dos arautos da decadência