os que sonham

o cortejo que desfila brandamente sobre o piso irregular arrasta consigo as chamas na procura da perfeição observando indiferentes aos palácios que ardem às cinzas que foram os jardins doutrora

vestiígios de civilizações queimam como uma camaleónica pira enquanto os loucos celebram a loucura dançando-pessoas que podiam ser anjos se a pureza ainda existisse despem-se e agitam-se contra o corpo mais próximo como asas como bastiões como ecrãs emprestando uma qualidade de sonho isolando as massas de si mesmas

as grandes auto-estradas são uma seta de solidão albergando as criaturas nocturnas

a máscara das épicas mentiras caiu e os rastos destroçados e os restos destroçados e os rostros destroçados circundam a periferia da antiga cidade em busca dos curandeiros ansiosos por agradar ansiosos por esquecer ansiosos por amar o velho diabo conhecido chorando como que pelo regresso ao útero exauridos pelos monumentos bestializando-se como quentes demónios cantando cantigas novas na esperança de que a chuva purifique a história

os punhais que não dilaceram só a carne

as palavras que não dilaceram só os corações

as cicatrizes que palpitam nas noctívagas capitais do homicídio esmagadas por horas de neon

os que sonham com ídolos

os sonham com líderes

os que sonham com pastores

os que se deleitam na sobrevivência da preguiça

 

EU SEI

que a dor forja no âmago os grandes homens

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s