sujo

já não há nada a dizer

– não insistas, dizem inconscientemente

queremos ser arrastados pela multidão até um sítio seguro

onde os desconhecidos nos acolham com bebidas

e segredem poemas como num doce embalar de ópio sob a luz vermelha numa estranha divisão desligada da realidade

tudo já deveria ser indistinto e vago o suficiente para aprenderes a perdoar as camas vazias

que valem tanto como as armas vazias

levanta-te na noite cambaleante e expele

este local já é a tua história e de ti parte como uma cicatriz da infância

 

INSUPERÁVEL

 

até o suor surpreende

pode ser ódio ou amor

mas nunca tão doce como noites sem fim na finita juventude

 

 

INÁLCANCÁVEL

 

somos alcancáveis e finitos

retem-te neste abraço como o milagre que é

cada dia nasce cada dia morre e renova-se

ainda que se faça-a-mesma-coisa

será sempre de maneiras diferentes

até que estarás demasiado fraco para te ergueres

até que dependeremos de alguém como agora julgamos depender

 

as palavras são flagrantes as ideias são poderosas

porque tudo surge tão rápido

sem pequenosprazeres

 

Tudo é

SANGUE!

e nós sangramos

nós sangramos

cada bocejo e cada orgasmo

jamais assumas que algo é insignificante

jamais digas que algo é insignificante

 

não existe espaço para nós

aceita-se o que surgir, estará certo

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s