Amanhã

Há recipientes que se perdem nos anos
e se reencontram na velhice das ruas
esbarra-se em lugares extintos
e no som da novidade
aparece uma crueza solta
alimento de dolorosas honestidades
que se infiltram nas conversas,
morreu a vergonha das feridas
que se atiram a público
(des)orgulhosamente, descomprometidamente
e antes dum veredicto
usam-se deformidades como insígnias

celebremos mais um dia
em que vencemos a morte
mais um dia de vida
na corrupção do corpo
que semeia partes nos meses
como rasto de decadência humana
ex-alimentador de vaidades,
os próximos banquetear-se-ão
desses excertos pré-mortem
os cabelos derrotados
os dentes falidos
as carnes flácidas
as rugosidades invasoras

celebremos mais um dia
em que vencemos a morte,
rendamo-nos à inevitabilidade
da extinção
com a graça lenta do executado
sacrificando a vida pela causa
confrontemos os invasores psicológicos
com o orgulho de cicatrizes
ditadas por nós
cicatrizes nascidas do escárnio
pela juventude da plasticidade
pela arte do desfile
pela auto-abjecção à perfeição

celebremos mais um dia
em que vencemos a morte
e ergamos o nosso legado
como se um cálice
pelos continentes
pelos mares
contra a gente de consumo-imediato
contra as pessoas do objecto
contra as pessoas da bondade
contra as pessoas da beldade

celebremos pois mais um dia
em que vencemos a morte
e repousemos na beatitude
no descanso na fealdade
que rende a calma do distanciamento
e exponhamos o negro da alma
ao mundo
nas caretas que ficam por mostrar
nos motes que ficam por gritar
nos locais que ficam por queimar
e nas heranças orgânicas
e de sofrimento interior
e sangue rijo
que ficam por conceber

celebremos mais um dia
em que vencemos a morte
a superar as limitações do mundo
para o qual fomos atirados,
corramos despidos e nus
empunhando carne mutilada como flores
e corações dilacerados como armas

a vida esgota-se e escasseia
em secretismos

LIBERDADE aos segredos dos corpos nos outros corpos

LIBERDADE dancem juvenilmente o excesso e o defeito nas camas de terra

LIBERDADE todas horas todos os minutos todos os segundos

LIBERDADE na celebração
LIBERDADE de quem mais um dia
LIBERDADE venceu a morte

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s